Porta do Sol

Centro de Estudos Xamânicos de Expansão da Consciência

Para contribuir com este projeto clique aqui

Brasil

Copyright © 2015 Porta do Sol - Centro de Estudos Xamânicos de Expansão da Consciência.

 

Todos os direitos reservados.

 

O conteúdo deste site tem seus direitos reservados e protegidos pela lei nº 9.610/88 (lei de direitos autorais). Não é permitida a modificação ou a reprodução total ou parcial por quaisquer meios sem autorização prévia e formal do Centro de Estudos Xamânicos de Expansão da Consciência Porta do Sol

VIDA DEPOIS DA VIDA

 

A vida depois da vida existe. Continuar nos comunicando com os demais, que vivem em outra esta de vida é outra coisa, requer varias coisas, como: será que o outro deseja se comunicar?

- Será que quem ficou como que foi podem se comunicar?

-Em que parte de nosso Ser estão as lembranças que tivemos vida depois da vida?

 

Para muitos, viver é um suplício e morrer é um terror; para outros, viver é bom e morrer é ruim; outros acham a morte uma boa solução para a vida. O que é o mais assertivo? Viver intensamente a vida em qualquer situação em que ela se expresse. Basta olhar nos olhos dos mais idosos ou dos doentes terminais para constatar que nenhum deles quer morrer e que fariam tudo para prolongar a vida. Todos que passaram por experiências de morte, mudaram radicalmente o estilo de vida, pois perceberam que podiam perde-la.

 

Portanto, o bem mais precioso que temos é a vida. E esta não se resume em um tempo curto de uma única vida. Continuamos a viver com novas roupagens, substituindo as anteriores que foram descartadas, até que o apego à matéria telúrica se exinga para sempre.

 

Desta forma, desapegar-se do mundo significa muito mais que renunciar algumas coisas nesta breve vida, como família, comida e conforto. Tudo isso varia de vida para vida, quem é nosso parente nesta vida, poderá não vir a ser depois, o mesmo se dando em relação a pessoas que conhecemos em vidas passadas, nem todo mundo volta à matéria ao mesmo tempo. Mesmo renunciando a tudo que o planeta Terra oferece, teríamos que viver em outras dimensões e isso também podemos chamar de vida.

 

A nossa orientação de vida muda radicalmente, dependendo do que acreditamos: que vamos desaparecer após a morte, que vamos ressuscitar depois de longo tempo no túmul, que seremos julgados e enviados aos céus ou aos infernos ou que vamos continuar a viver. Todos os Trabalhos da Porta do Sol - que tem a Ayahuasca como sacramento - estão baseados na certeza de que existe vida depois da vida, que há comunicação telepática entre os que vivem no plano de matéria densa e os que vivem na matéria sutil e que os rituais são um conjunto de senhas para acessar este PORTAL.

 

Os antigos egípcios e budistas, os pajés os xamãs, os incas e os maias, afirmavam que existe vida depois da vida. Mesmo quando outras linhas religiosas falam em ressurreição, estão falando em vida depois da vida. Para ter essa certeza, basta viver usando a consciência de forma plena.

 

Uma pessoa de visão limitada, acha que todos vêem o mundo como ela vê, ou seja, limitadamente. Esses não aceitam que vírus e bactérias existem só porque não os vêem a olhos nus. A maior estrela e mais popular, Jesus, afirmou: existem muitas moradas na casa de meu Pai.” Que pai, que morada? Falou também na hora de sua crucificação: “hoje mesmo estarei com meu Pai?

 

Estará aonde e com quem, se morreu? Verdade é que ressuscitou, assim como Lázaro que já estava morto e enterrado numa caverna. Todos que aceitam a palavra de Jesus são tolos, ingênuos, e bobocas, ou ele era um louco varrido! Se esta idéia se impôs no mundo foi devido a que fator?

 

Quem apareceu para Moisés? Fantasma? Os dez mandamentos (seguidos por todo o mundo) foi parte de sua imaginação fértil? Dirião os incrédulos: isso se deu com eles, não seria comum entre os mortais.

 

Afirmo, eles eram mortais, feitos de carne e osso como todos os seres humanos, mas é claro que usaram melhor do que nós o potencial mental. Realmente, não é possível participar de um ritual com o uso do sacramento (ayahuasca) sem admitir com convicção que existe vida depois da vida. Costumamos chamar de vida apenas cada ciclo experimentado na matéria e qualquer coisa fora desse ciclo chamamos de morte, quando na verdade tudo é vida em aspectos diferentes.

 

Se nada mais existisse depois da vida, todos os grandes sábios, citados nos livros sagrados, estariam mentindo desde que o mundo é mundo. Quantas pessoas lembram de sua infância, do que escutaram quando tinham 10 ou 11 anos? Se não lembram disso, como lembrar do que viveram muito antes? Muitas pessoas constroem falsas personalidades, sendo uma hora uma pessoa e outra hora outra pessoa.

 

Creio que a não aceitação da vida depois da vida é uma espécie de esquizofrenia espiritual (do grego σχιζοφρεν?α; σχ?ζειν, "dividir", e φρ?ν, "mente") que tem cura, uma parte não lembra da outra e por isso jamais se harmonizam. A tempos atrás, uma parcela da sociedade afirmava que a Terra era o centro do sistema solar e quem desacreditasse nessa máxima era tido como louco, subversivo e sujeito a pena de prisão e morte.

 

Naquela época, ninguém acreditaria que o ser humano pudesse ir à lua, andar sobre ela e muito menos tirar fotos, ou enviar um robô para Marte, tirar fotos do solo e enviar a Terra. Lembro-me bem de quando o homem chegou à lua, eu estava grávida do primeiro filho, havia uns homens concertando a rede elétrica em frente a minha casa e eu lhes pedia pressa pois queria ver a chegada dos astronautas à lua.

 

Eles comentavam que aquilo era ficção, armação dos norte-americanos e que jamais ninguém pisaria na lua. Riam de mim, por ser tão ingênua. O mesmo se deu com o submarino, com o computador com a internet e com as descobertas da medicina, que estão prolongando a vida das pessoas, e outras tantas que contribuem com uma melhor qualidade de vida. Tudo isso era impensável há 50 ou 100 anos atrás.

 

Será que a humanidade lembra que ninguém acreditava que o ser humano emitia energia (aura) e que praticamente todos achavam que os pontos de acupuntura no corpo eram fruto da imaginação dos chineses ou que a homeopatia era tida como coisa de maluco espiríta”, como o meu bisavô Eloi Lacerda? Para que vivemos?

 

Qual é finalidade da vida se não "ser feliz? Será que estamos contribuindo o suficiente para a melhoria da qualidade da vida, da nossa vida, no planeta Terra? Estamos fazendo o nosso melhor? Viva a vida!

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload