Porta do Sol

Centro de Estudos Xamânicos de Expansão da Consciência

Para contribuir com este projeto clique aqui

Brasil

Copyright © 2015 Porta do Sol - Centro de Estudos Xamânicos de Expansão da Consciência.

 

Todos os direitos reservados.

 

O conteúdo deste site tem seus direitos reservados e protegidos pela lei nº 9.610/88 (lei de direitos autorais). Não é permitida a modificação ou a reprodução total ou parcial por quaisquer meios sem autorização prévia e formal do Centro de Estudos Xamânicos de Expansão da Consciência Porta do Sol

O HINÁRIO DA PAZ

 

                     

Estive refletindo sobre o nosso hinário. Importante que tenhamos uma maior compreensão sobre o que cantamos em TRANSE.

Que o hinário representa “as intenções” de uma Linha.

O que é uma LINHA?

Linha espiritual (é um DNA) traz consigo uma "semente" uma mensagem, ou um estilo, que germina e dá frutos.

Tem a função de ser veiculo de comunicação entre os humanos com o plano espiritual.

Os Cantos cantados durante um Ritual (transe) são "recebido" nunca são fruto de uma composição de alguém.

 

A característica deles são;

 

- são serem condutores seguros de um transe, leva a outro plano, mantém, comunica, e traz de volta.

 

- identificar a Linha de Trabalho, (a que veio) através das palavras indicam “as ligações” espirituais, ou seja, a sua procedência

 

- podem (servem) ser cantados em qualquer circunstancias da vida.

 

- Sempre que cantado nos traz o Novo, sempre revela algo que não sabíamos antes, estando ou não em transe

 

- São ensinamentos, como um livro de estudo.

 

Com o Hinário da PAZ, que já cantamos desde o nascimento até a morte de alguém. É o resultado de uma longa convivência espiritual com o Mentor, que nos da a base de tudo, e nos vamos compondo com ele. Por isto o hinário evidencia claramente a o coletivo atuando entre nos. As mudanças melódicas de alguns hinos, os hinos que mudam de lugar (ordem) A medida que os anos passam fica cada vez mais claro que alem de termos como carisma a "alegria", nos foi dado a PAZ como elemento central.

 

Estas duas coisas mexem de forma profunda em todos nós. Ontem (31/05/2014) durante o trabalho em Mairinque (em volta da fogueira) aconteceu o que estou considerando um feito extraordinário que foi a mudança da palavra "sumiu" para a palavra "florir" num hino que 'recebi",  esta não foi a primeira nem a ultima vez que algumas palavras foram  mudadas.

 

Há anos atrás, quase quinze (15), nunca percebemos (eu pelo menos) desta forma o seu significado antes, nem quando pudemos retirar as palavras "não" ou outra mais agressiva (há uns três anos aproximadamente). Passados mais cinco (5) anos percebemos que nada esta mai obvio do que este hinário ter o nome de HINÁRIO DA PAZ. 

 

ANTES DE ENCERRAR ESTE ARTIGO SOBRE O HINÁRIO DA PAZ, gostaria de acrescentar que os hinos foram 'recebido", sendo que entendemos por "recebidas" como algo que nada tem a haver com o nosso pensamento particular, nem as montagens dos temas fazem parte de nosso imaginário tamanha a simplicidade, mesmo quando ocorre mudanças de palavras elas chegam da mesma forma, sempre de repente e de forma inesperada, e muitas vezes como o meu caso, nunca sequencial como no caso do mestre Irineu.

Como o primeiro hino que recebi -  A BRASA DO FOGO

 

É no toco, é no Toco que o mestre vem

É no toco, é no toco que o mestre fala

 

É  na brasa do fogo, que vai pisar

É na brasa do fogo que vai limpar (antes a palavra era queimar)

 

É no toco, eé no Toco que o mestre vem

É no toco, é no toco que o mestre fala

 

O Mestre agora quer saber

Tudo tudo o que voçe fez

Se usou ou se perdeu

O Dom que eles te deu (estes quatro últimos versos vieram muitos anos depois)

 

É no toco, é no Toco que o mestre vem

É no toco, é no toco que o mestre fala

 

 

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload