Porta do Sol

Centro de Estudos Xamânicos de Expansão da Consciência

Para contribuir com este projeto clique aqui

Brasil

Copyright © 2015 Porta do Sol - Centro de Estudos Xamânicos de Expansão da Consciência.

 

Todos os direitos reservados.

 

O conteúdo deste site tem seus direitos reservados e protegidos pela lei nº 9.610/88 (lei de direitos autorais). Não é permitida a modificação ou a reprodução total ou parcial por quaisquer meios sem autorização prévia e formal do Centro de Estudos Xamânicos de Expansão da Consciência Porta do Sol

ACORDOS ESPIRITUAIS

 

Fidelidade é respeitar os acordos feitos.

 

Há alguns anos, nos primeiros dias dos Trabalhos da Porta do Sol, era comum receber a visita de vários dirigentes de igrejas e grupos religiosos ligados à Ayahuasca (embora usassem outros nomes para o sacramento) que me explicavam pacientemente como funcionavam suas regras e costumes.

 

Dessa forma, acabei conhecendo várias lideranças espirituais e indo a inúmeras igrejas, sempre sendo muito bem recebida por todos. Naquela época, a única coisa que eu sabia é que iria fazer um Trabalho "único e original", mais nada. Estava encantada com a oportunidade de conhecer os bastidores desse mundo tão restrito e misterioso.

 

Recebi a visita de um grupo de pessoas trazidas por um amigo comum, com o firme objetivo de que eu tivesse uma experiência espiritual com a "Santa Maria" ou Makana como a chamam os angolanos, ou maconha como se chama no Brasil.

 

Eles argumentavam que eu não poderia julgá-la sem antes experimentá-la e explicavam que a usavam ritualisticamente, nos Trabalhos com a Ayahuasca, com a licença de seu fundador. Aceitei. Era uma bela noite de primavera, fomos para o jardim, éramos umas dez pessoas cantando o maravilhoso hinário da "Santa Maria".

 

Num dado momento do transe, vi a magnífica elemental, vestida de pedras preciosas vermelhas e brancas. Admirei a beleza e o carisma dessa planta que depois vira-se para mim e diz: "Vou te ajudar no seu Trabalho, mas nunca mais me invoque, nunca mais".

 

Fiquei impactada, pois não tinha nenhuma intenção de fazê-lo e, naquele momento de intensa comunhão espiritual, tudo adquiria dimensões extraordinárias que me faziam entender o que a planta me dizia.

 

Aceitei, de joelhos, o acordo. Ela acrescentou: "isso vale para todos de sua Linha". Aceitei. Entendi por que as Linhas são diferentes umas das outras, o que um grupo espiritual pode fazer o outro não pode.

 

Quando elaboramos o Regimento Interno, colocamos como condição para uma pessoa se tornar membro da Porta do Sol não fazer uso de nenhuma outra planta de poder, alem da Chacrona e o Cipó, nem dentro nem fora dos Trabalhos.

 

Entendemos que isso seja fidelidade. Na mesma época, em um de meus Trabalhos, no mesmo jardim, visualizo o Mestre Irineu a me pedir para nunca misturar nada, nem plantas de uso medicinal nem qualquer vegetal ao chá Ayahuasca. Aceitei.

 

Observação que fiz alguns anos depois daquele encontro no jardim de minha casa: Quando anunciei que para se tornar membro da Porta do Sol, o participante não poderia ser usuário de maconha, mesmo que a consumisse para fins religiosos, muitas pessoas deixaram de vir aos Trabalhos, alguns resistiram e usavam outras plantas escondido, mais acabaram saindo depois.

 

Anos depois, se desculparam e nos deram razão, reconhecendo que as duas plantas são incompatíveis. 

 

Fomos coerentes com o pensamento do fundador da Ayahuasca, o Mestre Irineu, que condena qualquer coisa que vá se opor às leis do Brasil. Mas, mesmo que esta planta venha a ser legalizada, nós, da Porta do Sol, jamais a usaremos, e nem a outra planta qualquer, por razões de um acordo espiritual.

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload